Em outubro é realizada a campanha Outubro Rosa, para conscientização sobre o câncer de mama, e em novembro, realizamos a campanha Novembro Azul, que é direcionada à conscientização do câncer de próstata.

 

Mas então, de onde veio a campanha Novembro Azul?

 

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), vem do movimento “Movember”, junção de “Mustache”, “bigode” em inglês, e “november”, “novembro” em inglês. Antes do movimento, a comemoração do “Dia do combate ao câncer de próstata” já acontecia no dia 17 de novembro. Por isso, o mês foi escolhido para a campanha.

Surgiu em 2003, na Austrália. Quando um grupo de homens decidiu deixar o bigode crescer para chamar atenção para a saúde masculina.

 

Aos poucos, outros países foram aderindo e virou o que chamamos hoje de Novembro Azul.

O objetivo da campanha é alertar a população, principalmente os homens, que são os acometidos da doença, sobre a prevenção e a importância do diagnóstico precoce.

 

O câncer de próstata é o tipo de câncer mais comum em homens, segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca).

De acordo com o “Onco Guia”, a incidência é muito alta, para cada 9 homens, 1 desenvolve câncer de próstata.

 

Antes havia muito tabu em relação aos exames necessários para a saúde masculina. Entretanto, hoje em dia, vem se normalizando e cada vez mais, os homens têm procurado se cuidar.

 

Segundo o blog do Hospital Notre Dame, após os 45 anos, caso o homem tenha histórico familiar da doença, já deve começar a realizar os exames necessários, caso o médico oriente. Para os demais, podem começar após os 50 anos, conforme orientação médica do urologista.

 

Há alguns pontos de atenção em relação ao câncer de próstata, segundo o Ministério da Saúde:

 

  • A doença quase nunca apresenta sinais, geralmente quando o homem passa a sentir alguma coisa, o tumor já teve um avanço considerável.
  • O consumo excessivo de bebidas alcoólicas e o tabagismo, aumentam o risco de desenvolvimento da doença.
  • É mais comum acontecer com homens após os 50 anos, principalmente os que têm histórico familiar de câncer de próstata.
  • O sedentarismo também facilita o risco.
  • A dificuldade de urinar e/ou sangue na urnina, pode ser um sinal de que há algo de errado.

 

É importante ressaltar que a cura está diretamente proporcional ao tempo em que a doença foi descoberta. Quanto antes for diagnosticado e iniciado tratamento, maior a chance de cura.